Visite, Desfrute, e Divulgue o Prazer da Natureza.
Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008
José Alberto Carvalho (É Penacovence)

26 Dezembro 2008 Veja este link:

http://www.geneall.net/P/per_page.php?id=23393

 

  José Alberto Carvalho

“Conseguir fazer mais com menos é um bom exercício”

O director de Informação da RTP mostra-se optimista face aos desafios da crise e garante que, em 2009, a sua equipa vai fazer ainda melhor

 

O ‘Telejornal’ voltou a ser o noticiário mais visto em Novembro. Qual é o segredo?

Fazemos um trabalho honesto e digno da confiança dos espectadores. Digo isto há muito tempo e insisto: a confiança é a palavra-chave. As pessoas sabem o que esperar do ‘Telejornal’. Nunca houve tanta concorrência informativa como hoje, nem nunca os espectadores tiveram tantos canais de televisão à sua disposição. Portanto, a única razão para termos mais audiência que os outros é fazer um trabalho melhor.

Que balanço faz deste primeiro ano como director de Informação da RTP?

É um ano positivo, rodeado de uma equipa trabalhadora e empenhada, profissional, criativa, dedicada, capaz de provar o fel para depois saborear o breve prazer da recompensa, e não estou a falar de audiências, mas da satisfação de um trabalho bem feito e do dever cumprido, assim como da capacidade de afirmação que conseguimos demonstrar ao longo dos últimos meses de uma forma totalmente inequívoca. Por muito que isso doa a alguém.

Como comenta as acusações de que falta pluralismo político na informação da RTP?

Não tenho nada a dizer sobre isso. Essas acusações resultam de alguns maus fígados e de uma certa má consciência que existe nalguns sectores da sociedade portuguesa em relação à RTP. Posso compreender, mas não aceito, nem aceiterei em qualquer circunstância, que se coloque em causa o profissionalismo das pessoas que aqui trabalham. Não somos infalíveis. Cometemos erros, mas tentamos aprender com eles. Não nos satisfazemos com um trabalho menor quando temos a certeza e a convicção de que podemos fazer melhor. Mas as coisas devem ser relativizadas. E isso, tanto quanto sei, foram os comentários de duas pessoas...

Mas que obrigam a dar explicações.

Se me perguntarem se acho normal ir duas vezes ao Parlamento no espaço de seis meses explicar critérios editoriais tenho que responder que não. Acho profundamente anormal e disse-o aos deputados. Acho que revela má consciência em relação, nalguns casos, à própria democracia, mas isso transcende-me. Não tem a ver com a minha consciência profissional, nem com o trabalho que é produzido e colocado no ar todos os dias. Se assim fosse, numa época de tanta concorrência como esta e com tantos produtos informativos como nunca houve na história do País, os resultados seriam diferentes.

Como encara o papel da Entidade Reguladora para a Comunicação Social?

Defendo a auto-regulação e a regulação. Em relação à monitorização do pluralismo político-partidário, acredito que todos os envolvidos no processo tenham vindo a aprender alguma coisa, ainda que às custas de algum impacto na imagem da RTP.

A informação da RTP é, portanto, isenta e livre?

Sim. Mas é mais do que isso. É criativa, inovadora, surpreendente, plural, democrática, serena e não move campanhas nem contra nem a favor de ninguém – coisa que não sei se todos os operadores televisivos podem dizer com esta tranquilidade. Podia ser melhor? Claro que sim! Tem condições para isso e desejo que seja ainda melhor.

Em que aspectos?

Em todos. Essa é uma das belezas da Informação. Não é uma ciência exacta, não é um produto acabado e as notícias nunca se repetem. Temos sempre caminho para errar e para aprender. E isso é fascinante.

Então as audiências não o fazem sentir-se mais seguro?

Na RTP, as audiências não são um objectivo, mas uma consequência. Os resultados que a RTP tem obtido são absolutamente satisfatórios e isso, seguramente, custa a engolir al-gumas pessoas que tentam denegrir a nossa imagem e o nosso trabalho e que têm obviamente motivos comerciais e/ou pessoais para se comportarem de uma determinada maneira. Trabalhamos para não defraudar as pessoas e para alimentar a relação de confiança que temos com os portugueses. E fazemos isso inovando.

Inovando como?

O documentário sobre o José Saramago (‘Levantado do Chão’), por exemplo, que foi exibido em horário nobre. Isso só seria possível na RTP. Qualquer canal comercial desvalorizaria logo à partida este programa, por não o considerar competitivo. Na RTP temos toda a diversidade de géneros, produzimos mais e melhor informação, com menos recursos do que alguma vez foram utilizados e com os melhores resultados desde que existe televisão privada em Portugal. As audiências são fundamentais, na medida em que medem a eficácia daquilo que fazemos. Só não podem é ser obsessivas. E no caso da RTP não o são. O facto de não publicarmos comunicados eufóricos sobre os nossos resultados mostram um grande respeito para com os telespectadores e uma grande noção de que tudo é efémero. Existem conceitos editoriais que têm vindo a evoluir e tentamos surpreender as pessoas.

Quais são os seus objectivos para 2009?

Melhorar ainda mais o funcionamento da redacção, o aproveitamento dos recursos que temos e o retrato que fazemos da realidade do País e do Mundo com olhos portugueses, seja para os que vivem em Portugal ou para os cinco milhões que vivem no estrangeiro. Isso é imperativo. Pretendo ainda criatividade, envolvimento nas novas tecnologias, porque é fundamental nos aproximarmos das gerações mais jovens, que estão a afastar-se na TV generalista. Isso implica uma grande reorganização interna dos fluxos de trabalho.

Em França, a TV pública vai perder a publicidade. O que acontecerá à RTP se isso acontecer também em Portugal?

É uma decisão política e financeira. Na minha opinião, não tenho a certeza se a redução da publicidade na RTP significa maiores receitas comerciais para os outros canais. Vale a pena recordar que existe um contrato assinado pela RTP com a cobertura do Estado português, que assegura que a estação utiliza o dinheiro da publicidade apenas para pagar a dívida. Se esse dinheiro deixar de entrar na empresa, haverá um problema para resolver, que não é só da RTP mas também do País.

Que medidas é que a informação da RTP vai tomar para combater a crise em 2009?

Temos um objectivo de contenção de custos no próximo ano, que me parece inteiramente razoável e desejável. Pretendemos cumprir objectivo puxando pela nossa capacidade criativa de conseguir fazer mais com menos. Acho que isso é um bom exercício e não mau. Pela minha experiência pessoal e profissional, sempre que alguém se empenha em fazer mais com menos consegue fazer mais e melhor. Queremos gerir o dinheiro que temos à nossa disposição com responsabilidade e rigor, mantendo as obrigações que temos com o público.

Vai continuar a ser pivô do ‘Telejornal’?

Acima de tudo sou jornalista. Essa é a minha carreira e a minha profissão. Enquanto puder fazê-lo vou continuar a fazê-lo. Tenho uma carreira longa e o facto de exercer o cargo de director de Informação obriga-me a trabalhar mais horas e a dedicar mais tempo a outras tarefas. Mas não vejo isso como um aspecto negativo. É uma questão de maior disciplina e reorganização do tempo. Mas quem corre por gosto não cansa e eu gosto muito daquilo de faço. Tenho essa grande vantagem.

PERFIL

José Alberto Carvalho, de 40 anos, nasceu em Penacova e é casado com Marta Atalaya, da SIC. Estagiou na Antena 1 e passou pela Rádio Nova antes de entrar na RTP. Na SIC, chegou a ser director editorial do projecto on-line. Voltou depois à RTP, onde assumiu cargos de direcção desde Outubro de 2001.

NOVIDADES 2009: 'MELHOR DO MESMO'

O que é que a informação da RTP nos reserva para 2009?

Melhor do mesmo.

O ‘Prós e Contras’ vai continuar?

Sim. É um programa obrigatório para o debate das grandes questões nacionais e internacionais. É imperativo que continue. Até porque 2009 não vai ser um ano fácil e haverá, certamente, muitas matérias a debater.

Os espaços de Marcelo Rebelo de Sousa e António Vitorino também se vão manter?

O que costumo dizer é que todos os programas e todos os formatos estão em permanente monitorização e observação. É uma actividade perfeitamente rotineira e desejável.

Além do Adelino Faria, vão apostar em mais caras novas?

Para já não temos nada previsto, mas é natural que surjam espaços novos.

RTPN

'HÁ MUITA COISA PARA MELHORAR'

O lançamento do primeiro canal de notícias da estação pública foi um dos maiores desafios para José Alberto Carvalho: 'Demos um grande salto nos últimos meses na RTPN. É mais uma demonstração de como conseguimos fazer um pouco mais – e em alguns casos muito mais – com o mesmo ou com menos. A RTPN tem um caminho longo pela frente, mas também tem um caminho de afirmação e persistência. Nada se muda de um momento para o outro e seguramente que há muita coisa para melhorar. É um trabalho infinito. Mas não estava à espera que fosse possível alterar o panorama do cabo de um momento para o outro.'


Sinto-me.: Penacovence.

publicado por: Carlos Ferreira às 18:21
Link do post. | Comentar. | Adicionar aos favoritos.
|

1 comentário:
De Jorge Cordeiro a 30 de Dezembro de 2008 às 12:21
Só uma correcção: José Alberto Carvalho ( Nasceu em PENACOVA) deveria-se ler José Alberto Carvalho ( Nasceu no Concelho de PENACOVA), pois o local exacto foi na Fundação Mário Cunha Brito, em São Pedro d'Alva.

Ver: http://www.geneall.net/P/per_page.php?id=23393


Comentar post

Mais sobre o Coiço.
Pesquisar neste blog.
 
Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Posts recentes.

Santo António 2016

Votos de Santo e Feliz Na...

RALLY NA BARRAGEM DO COIÇ...

O COIÇO DESEJA A TODOS UM...

O COIÇO DESEJA A TODOS UM...

Clique Aqui para Ver Todas as Fotos.

Junho 2016

Dezembro 2015

Abril 2015

Abril 2012

Dezembro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Links.
Fazer Olhinhos.
blogs SAPO
subscrever feeds